Abandoned mansion sits decaying in Italy

DÉCOR: COMO SERÁ AMANHÃ?

0 Ações
0
0
0

DÉCOR: COMO SERÁ AMANHÃ?

E quando acabar a discussão sobre a melhor tonalidade para as lâmpadas, das casas às ruas — e, mais provavelmente, o tom amarelado ganhar? E se o painel ripado de madeira nas paredes e nos móveis cansar de causar mais uma vez, décadas depois de seu auge no Modernismo, deixando de ser tendência de novo?

E no dia em que as formas curvas — agora chamadas unicamente de orgânicas — puderem novamente se confraternizar com outras, retas, em diferentes formatos de sofás? E no momento em que os pisos de tacos desenhados de madeira ou os ambientes com o chão revestido de mármores antigos, então recuperados, forem vitoriosos na luta contra sua substituição por cerâmicas estalando de novas?

E naquela década futura em que a arte tiver uma importância real e por igual para todos, sendo o que é, tendo seu devido valor artístico reconhecido, portanto muito mais do que apenas o tão falado toque de cor na decoração, às vezes por encomenda?

Neste mundo do décor, vivemos ligados a alguns conceitos tradicionais básicos e pré-concebidos, e tão importantes como a proporção e a simetria, em busca da harmonia, e também a modismos que resultam duradouros e que nos são impostos (pela indústria, pelo comércio, pela mídia? por arquitetos e designers de interiores? pela opinião alheia? e, atualmente, por influencers?), e que parece não poderem ser questionados.  Mas podem!

Algumas dessas certezas surgem como a bola da vez — é o que está-se usando, é o que todo mundo (e quem é “todo mundo”?) quer, é aquilo que agora, como dizem, “faz sentido para você”, e pronto! A repetição de fórmulas por determinado período — normalmente, de forma didática, dividido em décadas — parece ser reconhecida, valorizada e utilizada de forma inconteste. Mas imagino que deva ser revista, analisada e questionada sempre.

Com orientação profissional adequada, bom senso, olhar atento e vontade própria, seria uma maravilha viver, daqui para a frente, uma época assim mais aberta e liberta de verdades definitivas e que são consideradas — nesse momento — cult e chic!

Não precisamos viver em uma casa cem por cento aconchegante, pois nela nem tudo tem que sê-lo. É cabível que também esteja ali aquilo que alegra, que chama a atenção ou causa estranheza para alguns, ou atinja os píncaros do bom gosto da atual estética mundial para os conhecedores. Que assim nos caiba decorar localmente, mas não somente, e junto agir globalmente e estar abertos, principalmente, para aquilo que nos agrada ter à volta, tanto para viver quanto para refletir o nosso jeito de ser, e como queremos ser percebidos.

Se existem fórmulas para isso também, é porque algum dia alguém as inventou… portanto há chances, pelo menos nesse campo, de cada um colocar em prática as suas ideias e desejos em seus interiores.

Façam isso, e boa sorte no Ano Novo.

Sergio Zobaran

Já segue a Conexão Décor nas redes sociais?

Siga o nosso Instagram e Facebook e acompanhe as novidades sobre decoração, arquitetura e arte.

 

 

Tag: COMO SERÁ AMANHÃ?

comentários

0 Ações
1 comment
  1. …de cada um colocar em prática suas ideias ou desejos….. Sobre decoração ou estética decorativa, entendo pouco, mas entendo de como essas mesmas palavras podem mudar de ótica, e jogar luz sobre o “ interior” de cada pessoa. Será que falamos a mesma língua?
    Quiçá! O interior estético pode ser o reflexo do interior psíquico? Grande chance!!
    Gostei das palavras usadas no texto, mesmo se meu olhar esteja sempre vendo o “ sujeito”.
    Um 2024 glorioso e especial!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TAMBÉM PODE GOSTAR