Quem nunca desejou ter um corpo perfeito? Apesar de ser subjetiva a ideia de perfeição, os corpos femininos desejados mudaram através dos tempos, muitas vezes valorizando curvas rechonchudas até estacionarem num patamar quase inatingível: o da magreza excessiva, provocando doenças como a bulimia e a anorexia.

Essa ditadura é uma tortura física e mental, um sofrimento para muitas mulheres.

A artista plástica Patricia Guerreiro faz jus ao sobrenome, pois foi uma guerreira que lutou não em busca da perfeição, mas em busca da saúde.

Cheguei a pesar 102 quilos numa época em que o politicamente correto não existia. Apesar de não ter sofrido bullyng, sentia o olhar de pena das pessoas. Resolvi fazer uma reeducação alimentar aos 20 anos e consegui perder 40 quilos. Venho mantendo o peso – já tenho 47 anos – e, claro, com muita renúncia“, confessa Patricia, que trabalha com barro e lançou uma nova coleção de peças de cerâmica que batizou de  “?Corpos Perfeitos!”.

Corpo Perfeito, potes de cerãmicas que lembram as curvas do corpo femimino, e no meio levam arame lembrando um espartilho

Muitas foram moldadas em seu próprio corpo com a expectativa de comunicar-se com outras mulheres que sofrem, ou sofreram, como ela.

 

Ceramicas moldadas em um corpo feminino, lembrando as curvas

Corpo Perfeito, uma mulher segurando um vaso de cerâmica em frente ao seios

Com a adição de fios de cobre, que remetem ao arame farpado ou placas que lembram espartilhos, ela pretende mostrar a tortura dessa cultura que aprisiona, que tolhe a liberdade individual.

O barro está muito ligado a objetos utilitários e com essas peças quis passar um recado. É uma obra conceitual“, explica.

Corpo Perfeito, vaso de cerâmica que lembra que faz alusão as curvas do corpo feminino, no meio com arame farpado lembrando um espatilho

Vaso de cerâmica com um arame no meio para fazer alusõa ao crpo feminino usando espartilho.

Jornalista do mercado financeiro durante 18 anos, ela largou a profissão e entrou em cursos para aprender a expressar sua arte através de várias técnicas e tentando imprimir nas suas criações uma linguagem própria.

Durante a quarentena ela foi para a serra, deu uma “engordadinha” e pensando na premissa de que o corpo é laico, foi moldando vasos que, muitas vezes, se criaram sozinhos.

Enquanto trabalhava o barro tombou e se transformou num corpo disforme. Ele tem temperamento!

Corpo Perfeito, cerâmicas que lembram as curvas do corpo feminino

A artista deixa aparentes as micro rachaduras, as reentrâncias e às vezes utiliza caligrafia. Quando aconteceu o julgamento do “Estupro culposo”, Patricia fez um manifesto no Instagram tentando mostrar a dor na cerâmica.

Meu corpo não tem culpa

Seu corpo não tem culpa

Nossos corpos não têm culpa

Teve um retorno inesperado. Acho que todas as mulheres se reconheceram nesse episódio lamentável”.

Um detalhe interessante é que em setembro uma de suas peças, “Limite da Existência” foi selecionada para a exposição internacional “1000 Vases” que aconteceu na Paris Design Week 2020 e ficou exposta ao público.

Vaso de cerâmica em tiras

Vaso de cerâmica em tiras

E foi vendida“, exulta,” Isso me deu muita força“.

Foto da artista plástica Patricia Guereiro, vestida com um vestido bege e colocando a mão nas suas cerâmicas

A ceramista, Patricia Guerreiro.

As peças podem ser encontradas em seu atelier e na loja Ovoo, no Casa Shopping.

 

Suzete Aché

suzete.ache@conexaodecor.com

 

Você já conhece nossas redes sociais?

Já segue a Conexão Décor?

Siga o  nosso Instagram e Facebook e acompanhe as novidades.

Conheça  também nosso Pinterest! Repleto de imagens para te inspirar.

 

comentários