Setembro Amarelo nos alerta da importância de detectar os sintomas de depressão e transtornos mentais. É preciso agir e evitar o suicídio!

Setembro é o mês que celebramos a primavera, o mês das flores e cores, também interpretado como vida e renascimento.

Os dias vão ficando mais claros, os jardins mais vivos, e toda a vida parece ressignificar. Mas para muitos, nem tudo são flores e os dias iluminados se escurecem ao ponto de não enxergarem mais luz.

Nesse mês, celebramos também o “Setembro Amarelo” e precisamos conversar sobre o suicídio e transtornos mentais que adoecem a nossa sociedade, o que inclui em grande número artistas e arquitetos.

Para ilustrar a coluna de hoje com tons amarelados, pinceladas, tonalidades contrastantes, curvas em espiral, características marcantes nas obras do artista Vincent Van-Gogh, um dos artistas mais emblemáticos que lidou com a depressão e atirou contra a própria vida em 1890.

A campanha nacional Setembro Amarelo® 2020: “É Preciso Agir” é uma iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), trazida para o Brasil em 2014 – que tem como data símbolo o dia 10, o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio – e tem por objetivo a conscientização, a desmistificação e prevenção do suicídio no país, com casos que passam de 12 mil por ano.

Desse total, cerca de 96,8% estão relacionados a transtornos mentais, como por exemplo, depressão e transtorno bipolar. Esse cenário preocupante serve de alerta para que a saúde mental seja um tema importante para a saúde pública.

Na arquitetura, o assunto já foi tema de estudos devido ao alto grau de doenças mentais detectadas nos estudantes, como a pesquisa feita em 2014 nos alunos da Faculdade de Arquitetura, Paisagem e Design John H. Daniels, da Universidade de Toronto, no qual pedia aos estudantes que refletissem sobre sua experiência acadêmica, revelando um quadro sombrio de falta de saúde física e mental nas escolas de arquitetura. Na pesquisa, 61% dos alunos diziam que a faculdade não fazia o suficiente para os alunos no que diz respeito a saúde mental, sendo um ambiente esgotante fisicamente e mentalmente.

Ateliê da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Yale (imagem: Ragessos) Mesas uma ao lado da outra com ambiente sujo e com lixo, bagunçado

Ateliê da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Yale (imagem: Ragessos)

Em 2019, o site britânico Dezeen publicou uma série de relatos de estudantes de arquitetura que afirmam que a cultura de “longas horas” da arquitetura leva ao esgotamento mental, gerando uma cultura de Síndrome de Bournout em massa, cultuado pelos professores e organizações.

Afinal, quem nunca ouviu que “dormir é para os fracos”?

Com carga horária sobrecarregada, em constante stress, pressão e muitas das vezes competitivo que traz uma alto-cobrança além do normal, os estudantes de arquitetura acabam desenvolvendo maus hábitos, que podem trazer quadros de distúrbios mentais, como seguidas noites em claro, pular refeições, alto grau de substâncias estimulantes como café e energéticos, renunciar hábitos saudáveis de exercícios físicos e socialização.

Além disso, a pesquisa identificou que o espaço físico também tem grande influência, como a falta de infraestrutura sendo associada a falta de bem-estar físico e metal, com desejos de espaços mais limpos, maiores, silenciosos e adequadamente equipados.

No Brasil, a realidade das universidades federais de arquitetura é de completo abandono dos seus ateliês, isso sem falar na ausência de uma climatização adequada que permita 8 horas diárias de estudo presencial e até, pasmem, falta de água e papel higiênico.

Como resultado dessa repetição de hábitos ruins, estudantes se formam e se transformam em profissionais doentes, com alto nível de ansiedade, baixa autoestima, tendências depressivas, bipolaridade, síndromes das mais variadas como a de “Borderline” (transtorno de personalidade), do Impostor (auto sabotagem das capacidades e aceitação do próprio sucesso) chegando até a de Bornout, também chamada de Esgotamento Profissional: um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico resultante de situações de trabalho desgastante, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

A principal causa da doença é justamente o excesso de trabalho e acúmulo de funções. Infelizmente muitos não conseguem ajuda e chegam ao ato mais extremo, de não enxergar ser capaz de mudar sua própria realidade, distorcida pelas doenças mentais, e tirar a própria vida.

É preciso agir, conversar abertamente sobre o assunto nos grupos de amigos, no ambiente de trabalho, identificar os problemas, perceber se os outros estão passando pela mesma situação ou se trata de uma percepção distorcida do indivíduo, falar sobre suicídio e transtornos mentais de maneira responsável e com base em informações corretas e nunca ter vergonha de pedir ajuda.

Por isso, a campanha Setembro Amarelo® busca conscientizar a população sobre a importância da identificação e tratamento corretos das doenças mentais, visando contribuir para a redução desses números alarmantes. A ABP e o CFM lançaram na plataforma online diversas cartilhas com orientações sobre o tema, acesse aqui o site Setembro Amarelo.

 

Fabiano Ravaglia

Já segue a Conexão Décor nas redes sociais?

Passa lá no nosso Instagram e Facebook e acompanhe as novidades.

Conheça  também nosso Pinterest! Repleto de imagens para te inspirar.

 

tag: setembro amarelo

comentários