Dizem que nossa vida vai mudar depois. Mas quando, e depois do que? Já vivemos um novo tempo. Nossa rotina mudou definitivamente.

Vivemos em casa, ainda que o mundo já tenha sido flexibilizado em muitos países, e muitos tenham ganhado a rua. E nós, brasileiros, que sempre damos um jeitinho e levamos vantagem em tudo (certo?), também estamos surfando esta onda. A da flexibilização, que rima com higienização, com reinvenção e até com os tais protocolos – que antes eram típicos do poder e das realezas, e que agora são praticados por todos nós, reles mortais.

Aprendemos a desapegar, a doar, a praticar a solidariedade e a generosidade, e sermos fofos com todo o mundo: cumprimentamos o porteiro com um sorriso nunca antes praticado (“tudo bem, meu?” ou “valeu, merrmão”), perguntamos à diarista se o metrô estava cheio e a despachamos mais cedo “para a proteção dela e a nossa também!”. Um mundo mais democrático em função da ameaça coletiva.

Aprendemos para sempre como ressignificar a casa e a criar um home office prontinho para a próxima “live”, com direito a livros no fundo que ainda não passamos adiante e um tripé com halo de luz na frente.

Achei, ingenuamente talvez, que a bancada preta da cozinha nova e os focos dos spots moderninhos e duas gotas de perfume bastariam… mas não! Os nossos interlocutores aparecem lindos na nossa frente, sem óculos e sem os indefectíveis reflexos.

E quando a internet cai? Que vexame…

Depois, como Cinderela, voltamos à rotina já cantada aqui em verso e prosa aos nossos novos equipamentos domésticos de limpeza.

De novo, até quando tudo isso? Até quando continuaremos pensando num futuro diferente – e será tão diverso assim? Pensamos, quando dá tempo (e até mesmo essa noção de sua passagem mudou), que nossa missão está cumprida, que fizemos tudo o que devíamos, e estamos cansados de ser politicamente corretos, não?

Pensemos juntos: mesmo exaustos e muitas vezes feridos por perdas inestimáveis, entendemos que o dever está cumprido e que já podemos voltar ao normal.

Que o nosso normal seja o equilíbrio. Que fiquem as boas intenções, que as diferenças sejam menores, que o mundo possa ser melhor depois dessa paulada.

E que venha logo a vacina. E que essa picada seja o fim de um processo inexorável do repensar não só a casa, para quem a tem, mas no processo de aprendizado que estamos sendo forçados a aprender juntos.

E que isso tudo sirva de uma bela, mas difícil lição. OK?

 

Sergio Zobaran

 

Conheça nosso Pinterest! Repleto de imagens para te inspirar.

Você já conhece nossas outras redes sociais?

Já segue a Conexão Décor?

Passa lá no nosso Instagram e Facebook e acompanhe as novidades.

 

tag: Sergio Zobaran

comentários